comportamento

A solidão como companhia

img_20160724_163846

Quem me conhece sabe o quanto eu gosto de estar cercada de gente. Acredito que uma das coisas mais importante da vida são as pessoas que cativamos ao nosso redor e defendo a ideia de que poucas coisas no mundo valem mais do que colo, carinho, sorvete, abraço e conversa. Ficar sozinha ou estar sozinha nunca foi encarado de uma maneira fácil por mim. Até o dia que eu precisei parar e olhar quem estava ao meu lado.  

Não quero me gabar, mas me acho uma amiga fiel. Eu sempre estou ali, não importa o que aconteça. E estou sempre pronta para ajudar. Mesmo quando esse “cuidado” ou “carinho” não é recíproco. Porém, alguns acontecimentos – deste 2016 para lá de maluco – me fizeram refletir sobre até que ponto vale o esforço por uma companhia. O fato é que por cansaço ou decepção, a gente acaba percebendo que, às vezes, algumas pessoas não valem o sossego e a sensatez trazidos por um bom bocadinho de solidão.

Companhia é uma necessidade humana. Somos seres sociáveis, vivemos em comunidade. E valorizamos isso. Porém, é preciso entender até onde existe uma relação verdadeira ou quando o medo de ficar sozinha acaba anulando quem você é. E era nesse ponto que eu queria chegar quando comecei a escrever esse texto.

Devo admitir que, por prezar as pessoas que tenho ao meu redor, acabo fechando os olhos para alguns sentimentos e sensações e, de certa maneira, deixo de lado desejos e vontades. Sabe aquela vontade absurda de dizer “não” para sua amiga em um sábado que você só quer ficar de pijama e acompanhada de um bom livro? Pois é, eu não tinha coragem de dizer esse “não”. Eu não queria “perder” aquela pessoa. Porém, relações saudáveis e verdadeiras não funcionam assim. Toda relação é uma troca. Se doar demais, mesmo que seja por medo de ficar sozinho, não é bom para ninguém.

Porém, o medo da solidão não é algo sem fundamento. Aprendemos desde cedo que solidão é tristeza, é castigo. Temos razão em ter medo. E é claro que solidão demais é um problema e, a partir do momento em que ela se torna sua “única opção”, você precisa de ajuda. Precisamos das pessoas e isso nos ensina a adubar as relações que nos alegram e a valorizar quem nos traz bons momentos. E temer a solidão é o ponto essencial para continuarmos a nos relacionar. Mas, até o medo de ficar sozinho precisa de uma medida certa. Medo demais vira pavor e pavor nunca é bom.

O medo é um sentimento complicado. Ele nos torna prudente e nos protege de alguns impulsos. Mas também pode nos fazer refém. O medo de altura, por exemplo, nos protege da vontade súbita de debruçar na janela do nono andar. É bom senso. É protetor. É esse o medo bom. 

Já o medo de altura, que te impede de tomar um avião para conhecer novos ares, não é tão bom assim. O pavor de tirar os pés do chão pode te privar das delícias de uma montanha-russa, das belezas de uma vista panorâmica e das alegrias de voar. Esse medo é ruim. É o medo que priva.

É justamente assim. Da mesma forma que o medo da solidão nos ensina a ser mais responsáveis com os sentimentos das pessoas que amamos, o medo desmedido pode nos fazer cometer aquele velho erro de desejar companhias que não valem o sossego e calmaria da nossa solidão.

Com o tempo, eu aprendi que não existe ninguém melhor do que eu mesmo para estar. E que as pessoas são maravilhosas, mas a solidão também tem suas alegrias. Aprendi que tem gente que realmente não vale o esforço. De jeito algum. É melhor curtir a própria companhia e entender que ela pode ser um privilégio. Não é todo o mundo que merece ter a chance de perturbar a minha calmaria.

Lidar com a solidão proporciona autoconhecimento e ensina até a nos relacionar melhor. Ficar sozinho é bom sim. Passar a tarde em uma praia só com a companhia dos seus pensamentos e de um bom livro é impagável.

A solidão é uma ótima amiga. Ela só precisa de limites, como tudo na vida. Você pode ser uma ótima companhia para você. Com a solidão, você aprende que as relações só são gostosas se forem recíprocas.

A verdade é que crescer tem disso. De se colocar em primeiro lugar. E nos mostra que não tem jeito: mais cedo ou mais tarde a gente aprende a se amar e a solidão fica mais gostosa do que algumas companhias. E que a calmaria da solidão só deve ser trocada por quem realmente te quer bem. Por quem realmente vale.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s